Passeios e lazer

Frankenmuth

September 26, 2010

Ontem fomos passear em Frankenmuth, uma cidadezinha alemã ao norte de Ann Arbor que foi colonizada por imigrantes luteranos da região da Bavária, no século XIX, e todos os anos é visitada por mais de 3 milhões de turistas que lotam as dezenas de lojas temáticas e restaurantes alemães espalhados pelo centro. Alegam ter a maior loja de natal do mundo e enfeitam as casas e as lojas com umas estátuas religiosas brancas medonhas!

A cidade é charmosinha, com aquela arquitetura típica alemã, mas a maioria das coisas à venda nas tais lojas temáticas é uma quinquilharia brega do carai que eu teria vergonha de comprar para a minha avó! Comprei um imã de geladeira. Imã de geladeira também é brega pra cacete, né? Mas como não tenho pinguim, coleciono imãs. Troquei uma breguice pela outra. rs

Jantamos em um tradicional restaurante alemão localizado no centro da cidade. Da gastronomia alemã eu já conhecia a salsicha e o chucrute. Odiei ambos. Eu amo repolho, mas chucrute é uma coisa (literalmente) podre. O jantar foi aquela sucessão de comida branca e amarela, salsichas gigantes, batatas engorduradas e a abóbora mais insuportavelmente doce que eu já comi na vida. Odeio misturar doce com salgado. Voltei para casa sonhando com o bife de porco grelhado e o quiabo refogado que eu tinha na geladeira. Porque comida boa é a comida da casa da gente. Simples, limpinha, sem frituras e sem qualquer odioso molho branco.

Sou uma picky eater assumida. Não como qualquer coisa e definitivamente não como em qualquer lugar. Não consigo, por exemplo, comprar um cachorro quente e comer sentada no banco da praça. Primeiro porque eu não como cachorro quente, segundo porque eu gosto de sentar bonitinha à mesa para comer. Quando viajamos gastamos muito em comida porque eu não como nada feito/vendido na rua, não suporto fast food e não entro em qualquer restaurante. O que importa é que a comida alemã, ao lado da comida asiática, subiu para o topo das comidas que eu mais detesto.

You Might Also Like

  • Fernanda September 27, 2010 at 1:54 PM

    Realmente, pelas fotos da pra ver que essa cidade eh um charme. Eu nao sou uma picky eater, mas o tal de chucrute nao da! rs

    • Feisty Eli September 27, 2010 at 2:00 PM

      Ai, Fe, ainda se fosse só o chucrute… Mas eu odiei tudo que experimentei da gastronomia alemã. Experiência que não pretendo repetir. Beijo, tá sumida.

  • mari biddle September 27, 2010 at 3:35 PM

    Oiê, a cidade é fofinha.

    Eu amo cozinhar e não como qualquer coisa em qualquer lugar. Sempre acho que posso comer melhor e mais saudável se eu mesma preparo a comida. Eu como na rua mas também depende da rua – o sanduiche grego da praça Universitária de Goiânia (com todos os germes dando aquele sabor!) eu adoro!

    Sobre doce e salgado no mesmo prato me fez lembrar a Dona Ruth Cardoso que dizia que o americano não leu o Cru e o Cozido do Levi Strauss. Ela andava pelo campus de uma universidade americana apontando ‘olha lá, colocou no mesmo prato uma costelinha de porco e um pedaço de melancia. Não conhece a hierarquia dos pratos.’ Acho engraçadinho o comentario dela porque mostra como o significado de comer muda de sociedade para sociedade.

    bjkas

    *niguém precisa ler o Cru e o Cozido mas…

    • Feisty Eli September 27, 2010 at 4:43 PM

      Ta certissima, comer nossa propria comida é muito melhor, ainda mais porque podemos fazer do jeito que a gente quiser. Otima tirada essa da Ruth Cardoso. Eu gostava tanto dela! Sem querer entrar em posicionamentos politicos, eu ja lia os livros do FHC antes de ele se eleger presidente pela primeira vez. Meu marido gosta de melancia com sal e mistura tudo que é comida. Eu nao consigo. Pra mim, doce é doce, salgado é salgado. Também acho importante respeitar a hierarquia dos pratos. hahaha

  • Anathalia September 29, 2010 at 9:18 AM

    Nossa, Eliane, minha VIVE falando dessa cidade! Diz ela que ia demais lá quando morava aí. Vou falar pra ela vir aqui ler seu post.

    • Feisty Eli September 29, 2010 at 10:03 AM

      Ah, a cidade é uma gracinha mesmo. A gente vai voltar lá para passear mais e ver mais lojinhas, mas sábado tava muito frio para ficar andando na rua.