Papo sério

Preserve sua relação e seu parceiro

April 30, 2014

Outro dia vi num blog aqui dos EUA uma mulher desabafando sobre os problemas maritais dela. Ela descreveu extensamente os problemas que ela e o marido estavam vivenciando, além de usar adjetivos nada elogiosos ao caráter e a personalidade dele. Ela não dá nome ao boi, isto é, não conta o nome do marido, mas pelo perfil dela, que inclui nome, sobrenome e foto em família, não precisa ser gênio para descobrir quem o cara é. Eu até descobri que ele é advogado.

Eu sou super crítica a esse tipo de comportamento. Todos nós sabemos que não existe relação amorosa perfeita. Não importa se o cara é seu namorado, noivo, marido, vocês vão discutir, vão brigar, vão ter atritos, conflitos de vez em quando. Faz parte de qualquer relação e quem diz que não, sinceramente, ou está mentindo ou vive num mundo paralelo que não é o mesmo da maioria de nós, simples mortais. Definitivamente, não é o meu.

Até aí tudo bem. Conflitos vêm e conflitos vão ao longo dos anos em um casamento. Mas eu gosto de acreditar que casais civilizados vão saber resolver esses conflitos, porque, afinal, eles fazem parte da vida a dois e se há amor e tolerância acho que é possível sim encontrar uma solução para a maioria dos problemas que um casal pode enfrentar em sua estrada juntos.

O que não entendo é a necessidade de expor sua relação (e por extensão o outro) para todo mundo ler. Quando você está num relacionamento amoroso (na verdade, em qualquer um, na minha opinião), não é só mais você que conta, é também o outro. Quando você escolhe abrir seus problemas maritais e todas as questões que vêm junto com esses para qualquer um, você está expondo também o outro, o que fragiliza ainda mais a relação, porque o outro é antes de tudo um indivíduo e esse indivíduo, tanto quanto você, tem direito a privacidade.

Não importa o quão horrível você ache que seu marido é, ele merece ter a privacidade dele respeitada. Imagina se um dia você visita o blog do seu marido e se depara com um post em que ele te detona, te xinga, faz piada de você e te transforma num monstro? Tem gente que fala mal do marido em português porque acha que como ele é estrangeiro não vai saber ler, mas isso é ignorância e ingenuidade. É muito fácil traduzir (ainda que porcamente) qualquer texto que a gente encontra na internet.

A questão aqui não é se o marido é bom ou ruim. Talvez ele seja mesmo um monstro. Mas há outras formas de ventilar sua frustração sem expor tanto a outra pessoa. Precisa desabafar? Tem gente que precisa, o que é compreensível. Então desabafe com alguém em quem você confie que não vai fazer fofoca com os seus problemas pessoais. Fale com seu parceiro, tente resolver. Se não há mais jeito, porque às vezes não há, se a solução é separar, ainda assim essa pessoa merece ter a privacidade dela respeitada. Não precisa agir com uma filha da puta.

O que acho mais horrível é a pessoa descer a lenha no marido, falar que ele não presta, é egoísta e não pensa nas necessidades dela, mas depois sair toda sorridente e aos beijos em fotos com ele, posando de casal feliz com um “I love you, hubby” na legenda da foto. A gente sabe que um dia a gente é todo amor e que em outros nem tanto, mas isso deve ficar entre vocês dois. Quando você expõe sua relação dessa forma e depois coloca essas fotos patéticas para todo mundo ver e comentar, você só faz papel de idiota.

Há quem critique pessoas que sempre colocam fotos lindas de família no Facebook ou Instagram, falam que é falsidade, que ninguém pode ter a vida tão perfeita assim. Claro que não tem! E a gente sabe bem disso, mas acho que essa é a coisa certa a fazer. Seus problemas maritais não são apenas seus, são também do outro, então você não tem o direito de arbitrariamente expor a outra pessoa dessa forma. I don’t care how much you hate his ass right now. His ass is still his, so he has rights too.

Muito tempo atrás um asno me mandou um email falando que eu só tirava foto mostrando a gente feliz. Porra, vou mostrar foto da gente de cara emburrada logo depois de uma discussão? Eu sou tão chata pra isso que não conto nada, não divido nada da minha relação com ninguém. Nem mesmo com minhas irmãs, nem com minha melhor amiga. Não é que eu nunca tenha feito isso, é que aprendi a não fazer mais. Eu me preservo. Eu o preservo. Eu nos preservo. Porque a gente se ama, porque nossa relação é importante para nós e por isso cuidamos dela. Não é que nunca tenhamos nossos atritos e diferenças, é que eles não são da conta de mais ninguém.

Exceção para os casos de abuso. Em casos de abuso a mulher nunca deve se calar. Calando-se ela só perpetua e agrava o problema. Mas se seu caso não é de abuso, resolva suas questões com seu marido sem se esquecer de que ele também tem direitos e se pergunte se no lugar dele você gostaria de saber que ele anda contando todos os podres de vocês para outras pessoas, até estranhas.

Obviamente meus exemplos acima são aplicáveis a qualquer um: mulher, homem, heteros, gays. Há casos em que o homem é quem sofre abuso, assim como há casos em que o homem é o que faz fofoca e xinga a mulher para amigos, conhecidos e até desconhecidos. Conheci esse cara, 200 anos atrás, que contava para todos os colegas de trabalho (inclusive para mim), e para quem mais quisesse ouvir, o quanto a mulher dele era feia e ruim de cama. Aí no dia da confraternização da empresa ele aparecia com ela e os filhos, cheio de chamego. Uma coisa assim nojenta.

Por que a necessidade de humilhar tanto o outro?

You Might Also Like

  • Márcia Catarina April 30, 2014 at 1:08 PM

    Pensei o seguinte…. se a pessoa não presta, ( no caso marido ) e ela continua com ele…. o que temos que pensar a respeito dela…. não deve ser muito melhor que ele né…. e realmente devemos tomar cuidado com esse tipo de pessoa, se humilha assim o marido…..

    • Feisty Eli April 30, 2014 at 4:58 PM

      Exatamente, Márcia. Eu não julgo as pessoas porque sei que há muitas razões que levam alguém a permanecer em uma relação infeliz e só elas sabem o sapato delas aperta. Mas pra que expor o outro, falar mal, humilhar para todos saberem? Realmente, a moça do blog em questão me fez achá-la antipática. Talvez ela até tenha razão sobre o caráter do marido, mas no momento em que resolveu dividir isso com o resto do mundo de maneira tão crítica e pejorativa para em posts seguintes aparecer abraçadinha com ele em fotos, me fez duvidar da história dela e não nutrir muita simpatia pela história toda.

  • Monique April 30, 2014 at 1:21 PM

    Concordo com voce, acho que relacionamentos sao algo a serem preservados. Acho terrivel esse povo que desce a lenha nos outros atraves de redes sociais, como facebook, twitter e no blog. Ai sei la acho que anda faltando um pouco de bom senso em muitas pessoas.

    Voce fez um comentario que achei otimo, e meu jeito de pensar acho nojento essas pessoas que expoem os companheiros e depois vem com aquelas fotos do tipo eu te amo, ou aparece com a pessoa toda cheia de amor pra dar e vender… acho que faz papel de idiota. E ainda tem aquelas que depois de tudo ainda vem reclamar que estao sendo vitimas de fofoca, fala serio ne, abre a vida pro mundo e depois fica com raiva dos comentarios que isso gera. Bem faz voce que se preserva e a sua familia.
    Bjs

    • Feisty Eli April 30, 2014 at 4:55 PM

      Pois é, Monique, esse comportamento me incomoda muito, porque acho errado com o outro. E se não vai separar, não vai fazer nada, não saia por aí falando mal do cara, né? Acho que mesmo em caso de divórcio as pessoas deviam se resguardar, porque, bem ou mal, essa foi a pessoa com quem você escolheu ficar por algum tempo e isso não vale nada? Sei lá, as pessoas são muito estranhas. Como você bem disse, falta bom senso a elas. Beijo

  • Eloise Menhard April 30, 2014 at 6:05 PM

    Oi Eli, concordo plenamente com seu posicionamento. Preservar o outro no fundo é preservar a si mesmo, é ter respeito. Detesto esse povo que desce a lenha e se faz de vítima, porque ninguém discute sozinho. Relacao sem problemas nao existe, mas esses mesmos problemas podem nos transformar em pessoas melhores, com mais discernimento e maturidade. Sou partidária de uma boa conversa, e acredito que quando as pessoas falam calmamente e ouvem com atencao (ou seja civilizadamente) nao há motivo para mágoas ou rancores. Enquanto adultos devemos agir como tal. Para mim, uma pessoa que age como a mulher do blog, demonstra imaturidade, inseguranca e desrespeito por si mesma e pelo outro. Afinal se nao prestava por que ficou tanto tempo junto? Bjs

    • Feisty Eli May 1, 2014 at 12:52 PM

      Penso da mesma forma, Eloise. Relacionamentos começam e terminam com a participação de duas pessoas. Não tem isso de vilão e mocinho. Até entendo que na raiva a gente fala coisas que machucam o outro e se arrepende depois, mas como voltar atrás depois de expor a pessoa em público assim? Tem que ter mais respeito. Beijo

  • georgia Aegerter May 1, 2014 at 4:55 AM

    Eliane, relacionamentos sao mesmo complicados. Eu tb nao gosto de ficar colocando meus problemas pessoais com meu marido na net. Vez ou outra levo um assunto a ser discutido, mas coloco na 3. pessoa quando quero ouvir alguma posicao sobre assuntos que eu tenho dúvidas e quando minha opiniao sobre aquilo nao está bem formada. Mas olha, tem mulher que vive de TPM, nao faz nada o dia inteiro e perturba o marido que trabalha e chega cansado em casa. Nós estamos casado há 20 anos. Imagina aqui o jogo de cintura para manter o nosso relacionamento quente e aconchegante. Brigas temos aos montes, eu sou osso duro de roer ele idem. Mas foi como vc escreveu. A pitada de Amor nao pode faltar na hora de se discutir qqr assunto. Já houve sim fase que pensei em jogar tudo para o alto porque eu achei que eu nao seria capaz de suportar as diferencas culturais Brasil X Alemanha, porque a diferenca é extremamente gritante ao menos para mim que pegava onda em Ipanema e aqui nem ondinha tem no rio Reno, rs. No caso foi mais minha adaptacao. Mas nunca ridicularizei o meu marido. Muito pelo contrário, como vc mesma disse: as fotos que postamos sao dos momentos felizes, pois sao essas que realmente contam. Bjos

    • Feisty Eli May 1, 2014 at 12:54 PM

      Você pegava onda em Ipanema, Georgia? hahahahaha… Que máximo! Eu nem sei nadar. Beijo

  • Sandra May 2, 2014 at 9:27 AM

    Ai Eli… eu gosto tanto do jeito que você escreve, que seria um prazer sentar com você um dia pra tomar um café :-).
    Olha, eu acho isso de uma indecência tremenda! Eu tb tive um colega de trabalho que fazia o mesmo com a esposa dele, e nas festas da empresa, estava lá, a coitada, que mal sabia o que o marido falava dela! Falta de respeito total. Imagine se enquanto “colega” de trabalho dava para confiar em um cara desses. Um nojo!!
    O contrário desse comportamento também enche viu. Conheci uma fulana por aqui, que só faltava colocar o marido em um pedestal. O exagero era tão grande, que com o tempo ficou nítido que era uma tentativa dela de macular o caráter do cara e uma forma dela se mostrar sempre “feliz e realizada”. Tudo mecanismo de defesa…
    E uma criatura também já apareceu no meu blog, querendo dizer nas entrelinhas que eu só postava coisas boas no blog, e que tantos outros blogs escreviam quando as coisas não iam bem e bla bla… tem gente que não tem semancol mesmo. Tem coisas que eu prefiro manter na privicidade e dividir só com quem me diz respeito, ora bolas! Ai vc vai no blog da criatura e vê que é um blog de textos edificantes, copiados e colados de diversos autores. Quer dizer, criatura não escreve sobre ela, mas quer fuçar na vida alheia, rs..rs…rs.. Aff, acho que escrevi demais. Beijão Eli. Bom final de semana ai pra vocês!!

  • Si May 2, 2014 at 12:59 PM

    Esse foi um dos motivos que me levaram a terminar meu casamento. Não foi o único claro, mas quando chegou a esse ponto da falta de respeito e nem eu explicar (até implorar) pra ele o quando esse comportamento é errado e me machucava e nem assim adiantar, vi que não havia nada mais a ser salvo, e nem eu queria mais tentar. E nem era maldade dele, mas imaturidade mesmo…que pena…
    E o e-mail que nunca sai Eliane! Me perdoe, de tempos em tempo lembro, mas na correria esqueço de novo e o tempo vai voando, mas posso adiantar que os filhotes estão bem, e eu também!
    Beijo grande!

  • Line May 8, 2014 at 1:23 AM

    Muito pertinente, concordo com você. Tenho a sensação de ter me exposto bastante durante a minha fase de adaptação aqui na Holanda, não em relação a falar mal de marido, mas em relação a mim mesma. Tudo novo, tudo muito difícil, muitos problemas e sem conhecer ninguém por aqui, acabei enxergando o blog como uma espécie de diário; muito erradamente. Como não havia dado o endereço de blog pra ninguém, achava que poderia escrever o que me viesse à cabeça.

    Como você mesma disse, não que eu nunca tenha feito, é que hoje aprendi e não faço mais.

  • Bah May 8, 2014 at 8:00 PM

    É, barraco dá pra deixar em privado, ou fechar o post, ou colocar código… ou até ter um endereço particular pra desabafar… Tem gente que é pior ao vivo do que internauta… tem muitas variáveis, mas o lance de privacidade nos relacionamentos eu concordo.

    Kisu!